Creia…

29 01 2008

se os teus olhos cruzarem os meus novamente
como vou dizer que é mentira
o que meu corpo sente pelo teu…

se a sua voz eu escutar de novo
como negar que os arrepios na minha pela
sao de saudades da tua…

se as tuas mãos me tocarem novamente
como irei dizer que não é real o sonho
de que você está de volta em mim…

Simplesmente,
Saudades!





Atualizando

21 01 2008

Estou me atualizando… por isso esqueço de vir atualizar o blog!

Novos Projetos chegando… aguardem!





Música comentada

12 01 2008

Eu e minha amiga Elisa, companheira na viagem do Rio de Janeiro, cantavamos SEMPRE músicas dentro dos ônibus para passar o tempo… Hoje revendo as fotos comecei a lembrar dos comentários que faziamos cantando elas e de comos riamos parecendo dois bobos e interagiamos com o resto da galera do busú!
A primeira, e mais cantada de todos, é uma música [que na verdade é um diálogo] do filme Mouling Rouge.

Ewan:
Love is a many splended thing,
Love lifts us up where we belong,
All you need is love
[Na verdade a gente nunca sabia o começo direito… então não tinha comentário!]

Nicole:
Please don’t start that again

Ewan: [A gente começava daqui direto!]
All you need is love..

Nicole:
A girl has got to eat

Ewan:
All you need is love

Nicole:
Or she’ll end up on the street

Ewan:
All you need is love..

Nicole:
Love is just a game..

Ewan: [No grave, Elisinha]
I was made for loving you baby,
You were made for loving me

Nicole: [Olhas os dedinhos da coreografia… $$ ]
The only way of loving me baby is to pay a lovely fee

Ewan: [Mais dedinho!!!]
Just one night, just one night

Nicole: [Os dedinhos continuam… E a cara de indignação, afinal, ser puta é uma profissão!]
There’s no way, ‘cause you can’t pay

Ewan: [Adoravamos o grave dele!]
In the name of love
One night in the name of love

Nicole: [Oferece e esconde a bucetinha!]
You crazy fool, i won’t give in to you

Ewan: [Esse é melhor grave de todos!]
Don’t.. leave me this way
I can’t survive, without your sweet love
Oh baby, don’t leave me this way

Nicole: [E agora ela vem com um agudo escroto!]
You think that people would have had enough of silly love songs

Ewan: [A gente nunca sabia falar direito essa dele e enrolava!]
I look around me and i see it isn’t so, oh no..

Nicole: [Mais um pouco de agudo escroto!]
Some people wanna fill the world of silly love songs

Ewan: [Agora é a parte no filme que ele sobre naquela parte de vidro e fica se equilibrando… Tem coreografia na parte que fala da montanha!]
Well what’s wrong with that,
I’d like to know
‘cause here i go again..
Love lift us up where we belong
Where eagles fly, on a mountain high

Nicole: [Fazendo cara de negação e desaprovação! E claro, os dedinhos para dizer o “one happy day”.]
Love makes us act like we are fools
Throw our lives away, for one happy day

Ewan: [Tem os tambores que faziamos com a boca “tara-ta” depois da primeira estrofe!]
We could be heros
Just for one day

Nicole: [Interpretando igual ao filme, apontando os dedinhos um pro outro!]
You, you will be mean

Ewan: [Mais dedinhos de negação!]
No i won’t!

Nicole: [Ela engasga um pouco e a gente também!]
And I.. I’ll drink all the time

Ewan: [Longoooooo Elisinha]
We should be lovers

Nicole: [Seco! Seco!]
We can’t do that!

Ewan: [Longoooo e seco!]
We should be lovers, and that’s a fact

Nicole: [Com uma cara mais amigável… De quem “quero dar mas tou com medo!”]
No, nothing will keep us together

Ewan:
We could still turn, just for one day

Ambos: [Os dois gritando no busú!]
We could be heros, forever and ever
We could be heros, forever and ever
We could be heros..

Ewan: [Lá vem o grave das profundezas dele!]
Just because I.. will always love you

Nicole: [E o agudo foda!]
I cant help loving

Ewan: [Baixinho!]
You..

Nicole: [Se olhando apaixonados!]
How wonderful life is

Ambos: [Balançando a cabeça de modo afirmativo!]
Now you’re in the world..





Ausente

10 01 2008

Ai!
Ando tão ausente daqui…
Tão ausente de mim…
Preciso parar de dormir…
Pouco ou muito! Perder tempo…

Alguém quer investir em minhas idéias?!
Estou buscando investidores!





Simplesmente “The Bubble”

4 01 2008



“Hubi, meu amor… Vamos voar longe. Talvez além da fumaça e da batalha haja um lugar melhor. Talvez haja mesmo um paraíso onde possamos nos amar. Eu não sei… Pergunto-me se alguma vez teriamos mesmo uma chance? Se, incluindo este momento, teríamos uma oportunidade… Lulu e Yali provavelmente darão aos jornais uma foto de nós dois. Talvez a da rave, onde todos parecemos bem e felizes. Quem sabe as pessoas vejam como nós somos bonitos, e entenderão como são estúpidas estas guerras. Não, provavelmente nunca o farão.” [Texto final da película “The Bubble”]



Acredito que este poema abaixo, que na verdade é um fragmento da minha peça, resuma o meu sentimento após ver este filme… Por hoje, vou intitulá-lo de “A bolha”.



A BOLHA

Silêncio ou cofusão!
Existe um tempo onde todos serão de todos, ou nada disso!
Em que terão seus gostos, sabores e escolhas…
Ahhh, as escolhas…
Escolhas de uma vida!
São as melhores e as piores…
Dizem tudo e nada dizem…
Nada! Palavra simples e forte!
Constrói o sonho do “nada lhe deterá”…
Assim como destrói o desejo em “nada lhe respeitará”!
Um tempo onde tudo será nada, ou nada será tudo, urge, grita e salta aos seus olhos…
Não!!! Não os feche…
Veja o que lhe é mostrado, confidenciado…
Isso também é sua…
Vida?!
Sim, e por que não?!
O caos só existe para que a ordem possa ser refeita…
[ou nada disso…]
O erro só está aí para que o correto se destaque…
[ou nada disso…]
Mas até o correto, o que é?!
/ Silêncio /
Ah! De que importa?
São todas
portas…
Para um além, um distante… algo de quem é…
grande,
contente,
valente!
porque precisa ser…
Humano!
porque precisa ter…
Respeito!
Agora e sempre…
Amém!







Fragmento do Texto Avessos por Vinícius Alves